Entrevistas

“É nas maiores dificuldades que devemos alavancar um bom projeto”

Entrevista a Marco Polónio, da Malpevent, a propósito do Festival Authentica, que decorre em Braga, em dezembro.

A edição inaugural do Festival Authentica vai decorrer no Altice Forum Braga, a 10 e 11 de dezembro. Trata-se de um festival de inverno, pensado e criado em plena pandemia pela promotora Malpevent, que o apresenta como “o maior festival indoor de Portugal”. Mas as ambições não se ficam por aqui e Marco Polónio, da Malpevent, conta que a perspetiva é, a longo prazo, tornar-se no “maior festival indoor da Europa”.

O festival, que vai apresentar um total de 30 artistas nacionais e internacionais, vai ter lugar em Braga, “uma das cidades mais jovens de Portugal”. A escolha não foi, por isso, ao acaso. Em entrevista à Event Point, Marco Polónio fala ainda do venue, do piscar de olhos à vizinha Espanha, dos desafios relacionados com a pandemia e da retoma do setor dos eventos.

 

Qual o conceito do festival Authentica e por que escolheram a cidade de Braga e o Altice Forum Braga para acolher o festival?

O equipamento e a cidade são os certos. Braga é uma das cidades mais jovens de Portugal, aposta muito na cultura e na dinamização jovem. E a infraestrutura é aquela que nos dá as maiores condições para, numa altura de inverno, em dezembro, conseguirmos fazer um festival para 18 mil pessoas por dia. Temos capacidade para 25 mil pessoas, mas não vamos vender. Vamos ter quatro palcos: o palco principal na nave principal; o palco secundário, em que vamos montar infraestruturas complementares no estacionamento, nomeadamente uma tenda com 80 metros; o auditório dedicado só a bandas emergentes, que será no Grande Auditório; e depois o Dance Room, que será no espaço ao lado do Pequeno Auditório. Porquê Braga? Tinha que ser Braga. Fizemos um estudo de mercado muito grande e Braga é centralíssimo. Precisávamos de fazer alguma coisa no norte de Portugal e precisávamos de beliscar o público espanhol. O nosso cartaz, apesar de ser direcionado ao público português, tem uma pequena parte para os emigrantes que residem neste momento em Portugal e para o nosso turista.

Vão fazer comunicação em Espanha?

Já estamos a comunicar nas redes sociais, em Espanha, e vamos ter comunicação física nas principais cidades da Galiza.

O que diferencia este festival de outros que vão ocorrendo?

Vários fatores. Primeiro, é o único grande evento que é anunciado pós-pandemia; depois, vai ser o maior festival indoor de Portugal. A nossa perspetiva é, a longo prazo, vir a ser o maior festival indoor da Europa. Além disso, conseguimos fugir das alturas normais dos festivais – dezembro.

Quais os desafios relacionados com a pandemia?

Nós achamos que o Governo é uma instituição de palavra e o primeiro-ministro anunciou três fases de desconfinamento, em que a terceira acontecia com o levantamento de todas as restrições, nomeadamente de lotações e abertura de discotecas – nós não somos uma discoteca, mas temos uma pequena discoteca cá dentro –, quando tivéssemos 85% da população vacinada. Isso está muito próximo. Mas nós também estamos aqui para colaborar. O nosso plano de controlo de acessos está todo delineado em dois pontos: pedimos certificado digital e controlamos o certificado digital; quem não tiver certificado digital tem de apresentar um teste negativo. Se a pessoa não tiver um teste, vamos ter uma equipa para fazer o teste.

Em termos de fornecedores da área dos eventos, acredita que vai haver boa resposta?

Felizmente, temos os fornecedores todos contratualizados. Dos nossos fornecedores normais, de audiovisuais, de tendas, de catering, não sentimos nenhum tipo de perda. Sinto que todos os fornecedores estão com uma vontade enorme de trabalhar e não perderam qualidade. E como percebemos que eles não perdem qualidade? Quando dão respostas atempadamente, quando dão soluções e querem ser uma mais-valia. Vamos ter uma média de 1.500 pessoas diariamente a trabalhar no nosso festival, que não pertencem à nossa empresa. São pessoas contratadas dos nossos fornecedores e subcontratadas.

Em relação ao resto da atividade da empresa, começam a notar a retoma dos eventos?

Não muito. O nosso core business, até há pouco tempo, eram os eventos dos municípios. De há quatro anos para cá, começamos a mudar um bocadinho o paradigma e começamos a fazer concertos de músicos e bandas internacionais em nome próprio. A pandemia obrigou-nos a parar e foi aí, quando paramos, que decidimos fazer um festival. Sempre quisemos fazer um festival e esse foi o mote. É nas maiores dificuldades que devemos alavancar um bom projeto. Queremos que o festivaleiro entre aqui e viva uma experiência.

 

Cláudia Coutinho de Sousa

 

Tags: Entrevistas, Eventos, Festivais, Malpevent, Festival Authentica

22-09-2021